quinta-feira, maio 13, 2010

... zangam-se as comadres...

... e descobrem-se as verdades. É o que se diz por aí e é bem verdade. Ao fim de tantos anos confirmei as minhas suspeitas... Ai como gostaria que assim não fosse! Como gostaria que todas as verdades que me juraste a pés juntos serem mentira, o fossem de facto! Como gostaria que todas as vezes que me chamaste louca por desconfiar de ti, das tuas traições, físicas e não só, também as de carácter e são essas as que mais doem, eu o fosse! Como gostaria que tudo não passasse de más interpretações dos meus sentimentos, da minha pele! Como gostaria, como gostaria... mas assim não o é. Não te confrontarei, porque estou demasiado magoada e cansada... desgastada... e porque sei que me continuarás a mentir. Só não percebo, mas também não o vou tentar, porque hoje me ligas, com desculpas de uma pendência qualquer e terminas com tom preocupado e carinhoso. Assim, só me fazes duvidar ainda mais. Não sei como será daqui para a frente. Apenas sei que será difícil, muito, voltar um dia a confiar noutro, como em ti confiei. Temo até que nunca venha a acontecer... De ti só sei uma coisa, assim morres em mim... hipócrita...

Sem comentários: