quarta-feira, setembro 29, 2010

... é tão simples quanto isto...

... tu dás, eu dou... tu ignoras-me, eu esqueço-te...

... e se eu um dia...

... escrevesse uma carta de amor, talvez fosse assim:

Meu Amor,

Espero que estas palavras sejam céleres como o vento e que com a urgência de um respirar depressa te encontrem. E te beijem. Depositem em teus doces lábios mil e um saudosos beijos.
Meu Amor, quando partiste levaste um pedaço de mim e desde então nada mais faz sentido. Os dias confundem-se com as noites e não passam de meros algarismos que risco ansiosamente no calendário. As noites passo-as olhando o céu estrelado pela janela, tentando imaginar o que possas estar fazer. Espero que também estejas a pensar em mim. A nossa cama parece ainda ter o teu cheiro e teu calor e visto uma camisa tua para te sentir ainda mais perto. Abro o armário e percorro o resto tua roupa e sinto a tua pele macia. Cheiro o frasco do teu perfume. Beijo aquela tua fotografia e aperto-a junto ao peito...
Meu Amor, morro de saudades tuas e assim não sei viver. Tento compenetrar-me noutras coisas, mas tudo te traz a mim. Aquela música, aquele cheiro. O dia, a noite, o sol, a lua, a chuva, o vento, o calor, o frio. Estás sempre presente em mim, no meu corpo, no meu pensamento... fazes-me tanta falta!
Meu Amor, espero que estejas bem e não te esqueças que: te adoro, te quero, te desejo, te sonho... que és lindo, fantástico, que te quero mais do que tudo... que és o Homem da minha vida!
Meu Amor, escreve-me depressa que sinto falta das tuas palavras, do teu carinho, do teu Amor!


Um beijo grande desta tonta que te ama muito e espera ansiosamente pelo teu regresso... Amo-te!

... sim. Se eu um dia escrever uma carta de Amor, será assim...

... concluindo...

... Homens com garra PRECISAM-SE!!!... e mães: PAREM de mimar os vossos filhos! Lembrem-se que um dia eles serão homens, namorados, maridos e que não quererão tê-los no vosso colo a chorar, porque uma mulher lhes deu um desgosto, porque, pura e simplesmente, vocês não os deixaram crescer... e homens, Homens: nós apenas queremos que nos amem. AMEM! Percebem? Não precisamos, nem queremos que nos compreendam. Apenas queremos que nos aceitem. Com toda a nossa loucura, insegurança, ciúme, possessividade. Que quando se depararem connosco aos prantos perante um armário vazio, porque deixámos de fumar e de repente engordámos dez kilos e nos achamos feias de gordas e não temos nada para vestir, nos abracem. Não nos digam: estás tonta? Não vês que estás melhor assim? Estavas tipo escanzelada! Agora sim, já tenho onde agarrar! Pára de chorar e veste qualquer coisa! Vá! Anda! Não digam nada! Abracem-nos! Apenas abracem-nos com força até pararmos de chorar e enxuguem-nos as lágrimas e digam que nos amam. Que quando chegarmos a casa com aquele corte de cabelo radical, em vez de nos dizerem: hum, foste ao cabeleireiro! e perante um: gostas?, nos passem a mão pelo cabelo e digam: oh, vou ter saudades de te fazer festas nos teus cabelos compridos que adoro, em vez de: pareces uma Maria-Rapaz! . Que aceitem que gostemos que olhem para nós e por isso nos produzimos da cabeça aos pés, passando várias horas a escolher a roupa, a maquiagem, os sapatos (ai os sapatos!). Que sim, que adoramos flirtar com o empregado do restaurante onde vamos almoçar todos os dias, só porque é um miúdo giro, ou com o tipo do ginásio, só porque é um pintas e achamos inacreditável a sua lata. Que façam o esforço de uma vez por mês, não ligar aos insultos que proferimos da boca para fora e nos mimem dando-nos chocolates (mesmo sob a dura pena de um: tu queres é ver-me gorda!), fazendo festinhas na barriga, dando-nos drogas e sacos de água quente. Que morremos de ciúmes das vossas amiguinhas, especialmente daquelas que não conhecemos e que têm o hábito irritante de vos dar um grande abraço, seguido de um repenicado beijo na cara, só porque já não vos vêem há imenso tempo. Aí meus caros, só têm de, depois de serem efusivamente cumprimentados pela dita cuja, vulgo vaca, de nos darem a mão, ou nos porem o braço na cintura e nos apresentarem à fulana. Se vocês para nós são lindos e fantásticos, também, na nossa cabeça, são para as outras. Que sim, nós gostamos muito de presentes (excepto flores fora das datas, tipo aniversário e dia da mãe. É sempre suspeito e sinónimo de asneira), mas gostamos muito, mas muito mais de um telefonema a meio de um dia de intenso trabalho, em que nos dizem: liguei só para te dizer que te amo e que não vejo a hora de chegar a casa! Que apesar de as PDA serem do mais piroso que há, de vez em quando, mas só de vez em quando, é bom sentirmos uma mão que procura a nossa enquanto caminhamos na rua, ou um beijo roubado no meio do supermercado... Bem, poderia redigir um completo manual de instruções, mas preciso apenas que vocês homens percebam que quando olham para nós e nos vêem um brilhozinho nos olhos, que quando vos abraçamos sem querer largar, que quando nos enroscamos em vocês para dormir, ou apenas entrelaçamos os dedos, porque é Verão e está muito calor, que quando vos dizemos: AMO-TE!, é porque vocês são O HOMEM DA NOSSA VIDA e não queremos mais nenhum, nem mesmo puto giro do escritório que passa o dia a dizer que somos fantásticas, lindas e inteligentes... 

terça-feira, setembro 28, 2010

... just wanna be gay!...

... hum... pois, nem por isso! Mas de momento parece-me muito mais fácil ter uma relação com uma mulher, mesmo correndo o risco de que esta sofra terrrívelmente de TPM, do que com um homem! Os homens, no geral (e não falo só por mim!), têm-se revelado demasiado complicados e sem o mínimo de frontalidade ou iniciativa. Não são capazes de tomar decisões e estão sempre, mas sempre à espera que sejam as mulheres a ditar as regras do jogo e com mil e um rodeios e frases do género: mas e tu, o que queres? ou,  faz o que te apetecer! (até no trabalho ouço esta!Irra!)... mas afinal o que pretendem? Que façamos o que realmente nos apetece para depois nos porem a culpa em cima se a coisa não correr bem, é? Será que ao fim de tantos anos ainda não sabem que somos exageradas por natureza, inseguras, ciumentas e possessivas? Será que ainda não aprenderam que aquilo que mais queremos num homem é segurança, confiança? Ora, um homem que não sabe o que quer, que dá mil e uma voltas, que envia mil e uma sms e outros tantos mail's para combinar um encontro, o qual acaba sempre por ser decidido por nós,  ou que não tem coragem para dizer o que sente, ou ainda pior, não tem coragem para acabar uma relação na qual vive sufocado há anos, nÃo é um homem seguro e confiante! A frase que mais tenho dito ultimamente é: mas afinal o que queres?... onde? Mas onde é que se enfiaram aqueles homens que nos agarravam e olhavam-nos nos olhos como se o resto do mundo não existisse e diziam: quero-te! (mesmo que não fosse verdade e nós sempre sabíamos!)...

... "acho que devíamos dar um tempo"...

... nunca percebi bem o que isto quer dizer. A mim mais me parece uma falta de coragem imensa de se acabar, pôr um fim, dizer que se desiste... dar um tempo, nada me soa mais cobarde!...

sexta-feira, setembro 24, 2010

... OMG! PRECISO TANTO DE UM NOVO ANO...

... preciso urgentemente começar do zero! Preciso urgentemente de um novo ano!!!... Este ano tem sido uma autêntica desgraça! Ok, ok! Até tenho desculpa para andar tão aérea. Esta coisa de sobreviver sozinha não é nada, mas mesmo nada fácil e passo dia a dar mais atenção aos meus problemas do que ao trabalho! Este mês então tem sido terrível! Depois de um mês de férias e completamente off (ou quase), consigo agora ver com clareza como estava exausta e distraída. Tenho muito, mas mesmo muito trabalho para recuperar, asneiras para emendar. SHIT! Mas onde é que está a pessoa mais organizada que conheço? Será que a deixei com ele? Se sim, quero-a de volta!!! Agora!!!... não gosto nada desta tonta que se põe a cometer erros como um mero ser humano... PRECISO DO MEU ROBOT DE VOLTA

... sim...

... confesso, às vezes também penso nisso. Penso como seria. Como seria bom. Penso em como seria feliz... mas não penso assim, do nada. É algo que tem de ser induzido. Não faz naturalmente parte de mim, como em maioria das pessoas. Porquê? Não sei. Só sei que logo apago a hipótese... para quem começou do fim, jamais haverá um princípio...

... é a milésima vez...

... que lá vou, que lhe tento dar um sentido, que tento perceber o que significa... nada... começo a sentir-me muito burra, muita cega... muito feita de parva...

... chegou o Outono com todo o seu esplendor...

... (blhec!!!)... acompanhado da chuva, frio (mas não o suficiente para usar a fantástica roupa de Inverno) e dias cinzentos de luz estupidamente branca (o que me provoca inexplicáveis enxaquecas! SHIT!). Vejo-me obrigada a guardar as sandálias, as mini mini-saias, os mini mini-vestidos e (aqui é que dói!) os bikinis e as havaianas! Já não está calor para lavar a alma em água salgada depois do trabalho. As minhas sardas já hibernaram e voltei à cor: branco mais branco não há. Acabaram-se as noites de palheta, porque não se consegue dormir com o calor e a única coisa que refresca é uma (várias!) boa mini e dois dedos de conversa e com a quantidade completamente abSurda (!) de comida que tenho ingerido nos últimos dias, poder-se-ia dizer que ando a armazenar para o Inverno. A minha balança pensa o mesmo e o meu roupeiro também, passando a autorizar-me apenas o uso de roupas largas de cores sóbrias e ténis (e voltamos ao mesmo! Ainda não está frio o suficiente para usar as fantásticas botas de Inverno. Baaaahhhh). É oficial, estou deprimida! Detesto esta época de meio termo e estou pronta para hibernar junto com as minhas sardas!!!... (o único consolo é aquela super cosy feeling quando acordo e ao sentir o arrepio de frio típico das manhãs de Outono, me enrosco mais um pouco no edredon. O Verão não tem cosy feelings.)...

quinta-feira, setembro 23, 2010

... hoje procrastinei em blog alheio...

... como diz uma amiga e... não há waterproof makeup que resista quando me lembro de ti... és de facto o meu maior falhanço! A única "coisa" que lamento! Profundamente! Do fundo do coração! Com  toda a dor que isso implica! Só te posso dizer que lamento muito e espero que um dia me perdoes... eu já te perdoei...

quarta-feira, setembro 22, 2010

... para já...

... bastava-me existir... poder respirar o mesmo ar, ter um lugar, um nome, uma cara... e depois?! E depois, não sei. Logo se vê. Não é importante. Para já. E além disso, não tenho pressa. Deixei de ter pressa de viver... só de sentir...

...

... hoje estou francamente irritada!!!...

... com o mundo em geral e contigo em especial... quero muito voltar a dizer que te adoro... que te quero... que te desejo... que te sonho...

segunda-feira, setembro 20, 2010

... a retomar velhos hábitos II...

... sair a correr do trabalho e enfiar-me no cinema... http://www.laffairefarewell-lefilm.com/... adorei ver o Kusturica como general do KGB (quero tAnto que dancem assim comigo!!!) e apaixonei-me pelo "Pierre"... e melhor ainda... sala só para mim com direito a não ter intervalo... e viva o cinema europeu!...

domingo, setembro 19, 2010

... hoje é dia...

... de fada do lar, de tratar de mim, de ouvir música, de ler... de jiboiar... de me deitar na cama acabada de fazer de lavado, olhar pela janela o céu azul e sonhar... morrer de saudades tuas e desejar que aqui estivesses... sim. Ainda tenho saudades tuas. Não sei por quanto mais tempo, mas ainda tenho saudades tuas... Sabes, a saudade alimenta-se da memória e a memória dos momentos vividos, dos sons, dos cheiros, das imagens... e na ausência, a memória, alimenta-se de palavras... ditas, escritas, sentidas... se não for alimentada, a memória dá lugar ao esquecimento e o esquecimento não alimenta a saudade... a saudade morre... e dás por a pensar: "este cheiro lembra-me alguém, mas não sei quem"... 

sábado, setembro 18, 2010

A paixão morreu

Aqui apenas resta desejo.
A paixão, essa,
O mar, outrora calmo,
Revolto levou-a.
Afogou-a dentro de si.
Matou-a!

A praia e o mar

Desde sempre o mar
Banhara aquela praia.
Um mar verde cristalino
Numa praia de alva areia fina.
Todos os dias, cedo pela manhã,
O mar acariciava a praia
Para a acordar.
Todas as noites lhe dava
Um doce beijo
Para a adormecer.
Por vezes o mar sentia
Que a praia estava triste e só
E transformava-se em grandes ondas
E com força vinha até à praia
Para lhe dar alento.
Mas um dia o mar deixou
De banhar aquela praia.
Deixou de a acariciar.
Deixou de a beijar.
Deixou de lhe dar alento.
Um dia a praia desapareceu.

Sabor

Quero provar-te!
Quero conhecer o teu sabor!

Imagino a tua pele com
O sabor salgado do mar,
A tua boca como um
Aveludado praliné de avelã
E na tua língua
O sabor ácido da lima.

Nos olhos, gestos, voz
Tens o doce sabor a mel...

... a desmotivação...

... mata-me!!!... deixa-me sem ar, tira-me a força, a vontade... provoca o esquecimento, a ruptura... o fim...

sexta-feira, setembro 17, 2010

... ♥ tiger man...

... a voz...

... nesse dia amanhecera sorridente. Estranhou. Ultimamente não tinha motivos para sorrir. Ao rever mentalmente o seu plano diário, lembrou-se porque sorria: a voz! Prontamente se aprumou. Ao abrir a porta sentiu um frio no estômago, as pernas a tremer, tal como ficara no dia anterior ao ouvir aquele "estou?!...". Saiu.... "olá", nem precisou dizer quem era. Reconhecera-o pela voz. Uma voz indescritível que agora se materializava com um sorriso no olhar (como era possível um olhar sorrir assim?!!!)... quanto mais ele falava, mais ela tentava não ouvir. Quanto mais ele procurava o seu olhar, mais ela fugia... "cala-te! Não me olhes assim!", pensava, enquanto controlava o seu instinto animal, a vontade de saltar por cima da mesa e de o ter logo ali...

Incontrolável

O desejo de te agarrar,
Beijar, lamber, morder
Os teus carnudos lábios!
Passar a língua pelo
Teu esguio pescoço,
Até esses lóbulos perfeitos!
Essas cartilagens morder
Como se de doces se tratassem!
Incontrolável (!)
É esta vontade de te ter…

Chocolate

Sorriso de trincar.
Voz de vibrar.
Olhar de corar.
Que segredos
Terá esse ar
De miúdo reguila?
Que tanto cai,
Esfola os joelhos
E te corre para o colo,
Como salta
Do penhasco mais alto
De cabeça para o mar
E enche o peito
Para te agradar.

...

... aqui há uns tempos...

... disseram-me: "não estou disposto a mendigar amizade!"... pois... eu também não...

terça-feira, setembro 14, 2010

... nem sabia o que sentir...

... estaria zangada?... talvez... irritada, magoada, desprezada... esquecida... surpresa... estava sem dúvida alguma confusa! Confusa, sim!!Estava confusa!!!... não conseguia perceber o porquê daquela reacção... ou da não reacção, ou de tudo o que se passava e especialmente do que não se passava... pela primeira vez ficara sem palavras... sem sentimento... sem definição... apetecia-lhe fazer como quando era miúda e tinha um monstro debaixo da cama... enrolava-se toda, como um caracol, debaixo dos lençóis e quase sem respirar, esperava que ele fosse embora... porque os monstros vão sempre embora, não vão?!...

... completamente rendida!!!...

JOHNWAYNES LIVE ao vivo :: Concertos Central Musical

sexta-feira, setembro 10, 2010

... a minha mais recente paixão...

... ♥...

... embora sem certeza...

... no fundo ele sabia, sentia... sentia que aquele corpo não era só dele. Que nas suas longas ausências ela a outros se dava... ele fingia não se importar, ela fingia que ele não sentia... desde cedo ela aprendera a separar o corpo do coração, dos sentimentos, das emoções e os outros não passavam disso mesmo, de corpos onde ela saciava o seu desejo. Não passavam de meros entreténs onde fingia não gostar dele, onde fingia não se importar com a sua ausência... saciava o seu desejo... mas não o seu coração. O coração, esse, só a ele pertencia, só ele o conseguia satisfazer. Só ele tinha a chave, o segredo da combinação. Só ele o conseguia abrir. Só a ele, ela se revelava... terna, meiga... assim... a sua eterna apaixonada... só a ele, ela queria no seu todo... com corpo, alma e coração...

quinta-feira, setembro 09, 2010

... e ela riu..

... finalmente estavam juntos... após mais uma longa ausência... finalmente ele beijou-a... ele beijou-a e ela riu... não sabe porquê, mas riu. E quanto mais ele a beijava, mais ela ria. E quanto mais ele lhe perguntava porque ria ela, ela ria com mais força, com mais vontade, com mais corpo, com mais alma...de repente os olhos dela encontram os dele e parou de rir... finalmente percebeu porque tanto ria... ria, porque estava feliz. E estava feliz, porque ele estava ali... há muito que não se ria assim... com um riso tão satisfeito, tão preenchedor, tão libertador... tão apaixonado... o êxtase afastou-lhes os corpos suados, o sono entrelaçou-lhes os dedos... quando o sol acordou, ele de novo partiu... e ela de novo chorou...

Verde mar

Posso voar por céus azuis.
Aquecer-me em dourados sóis.
Saciar-me com o mais doce chocolate.
Mas voltarei, volto sempre a ti...
Meu verde mar...

quarta-feira, setembro 08, 2010

... o porquê do impossível?...

... por isso mesmo. Porque é impossível. Porque se fosse possível, já não poderíamos usar a desculpa do: "desisti porque era impossível!"...

... porque o mundo...

... só tem a importância que lhe damos...

... a todos...



... aqueles que pensam ser o umbigo do mundo, donos e senhores de toda a razão, de toda a verdade, de uma moral inabalável com telhados de aço. A todos aqueles que olham de lado, de alto a baixo e julgam sem terem coragem de olhar de frente, de enfrentar. A todos aqueles que dizem o querem da boca para fora sem pensar nas consequência das suas palavras, dos seus actos, que se esquecem que os outros também sentem, também choram. A todos aqueles e a estes e a esses também... A todos os outros. Aos que gostam, aos que amam, aos que se preocupam, aos que tentam, aos que sorriem, piscam o olho, olham duas vezes, três, quatro, aos que nos fazem sentir bem, vivos, felizes, a todos esses um thank you very much and I love you all... I always be here for you...

...

terça-feira, setembro 07, 2010

... ontem resisti...

... mas hoje não aguentei... chorei... ainda levei as mãos aos olhos como quem corre para fechar a torneira que se esqueceu aberta, mas não resultou... chorei... agora é sempre assim... choro sempre nestes dias. Dantes não. Dantes não chorava. Apenas ficava triste e com um beijo tudo passava. Agora não. Agora parece que me falta um pedaço. Um pedaço do coração, julgo. Sim, deve ser do coração, porque é aí onde dói... Não gosto destes dias. Destes dias em que tudo desaba, em fico sem chão, perdida sem saber que rumo tomar... e depois? E depois volto mesmo. A dizer que adoro, mas não me importa... a fingir que não me importa... a procurar com o que não me importar... até voltar. Até voltarem estes dias. Estes dias em que me apetece... apetece ficar na cama, agarra à almofada a sonhar com a madrugada...

... e tu?!...

... e tu?! Onde andas?! O que se passa que não dás notícias?! Agosto já foi, Setembro já chegou e nada... morro de saudades!!! Ai como sinto a tua falta!!! Como me falta um pedaço... o da razão, do equilíbrio... tenho saudades das tardes passadas a fumar no jardim, na palheta, a descobrir o que já foi descoberto (que os homens são uns tontos e... as mulheres também!ehehehehe), a rir da vida... tenho saudades do teu riso... como tenho saudades do teu riso!!!... vem... tenho saudades tuas!!!...

... gosto tanto...

... hoje estou impossível...

... não me consigo concentrar nem por nada!... se não é o frio é chuva, se não é a chuva é o vento, se não é o vento é o sol, se não é o sol... és tu... porque tudo me lembra de ti... o frio, a chuva, o vento, o sol, a música que toca na rádio... o teu cheiro na minha cama, o teu sabor na minha boca, a tua imagem cravada na minha memória... e se fechar os olhos com muita força quase que te sinto a tocar-me... e aperta-me o coração, falta-me o ar e choro... choro de saudade... penso em tudo aquilo que te queria dizer, que queria fazer... e não disse e não fiz com receio de estragar o momento... são tão poucos os momentos que passamos juntos, tão rápidos, tão fugazes... queria dizer-te que... estou, sou perdidamente apaixonada por ti, que te acho lindo e fantástico, que te adoro, que te quero, que te desejo, que te sonho... espero que um dia tenhamos tempo para te dizer tudo isto cara a cara, olhos nos olhos, corpo no corpo...

... hoje o dia está como eu...

... triste e cinzento... são sempre assim os dias de partida... mas consola-me o som da chuva, o cheiro da terra molhada... o teu cheiro, o teu sabor...

Uma estória

Esta noite li uma estória.
Uma estória de algo
Que há muito tinha terminado.
Uma estória que recomeçou
De um olhar, de um cheiro, de uma memória.
De uma procura sem razão… (Porquê?)
Uma estória sem começo exacto e de fim incerto.
Uma estória que podia ser tua, minha ou de qualquer outro.
Uma estória como tantas outras afinal.
Porque uma estória não passa disso mesmo.
De uma estória …

Estarei aqui

Vês-me,
Ignoras-me,
Olhas para o lado,
Finges que não me vês.
Olhas de novo, de soslaio.
Sim! Sou eu!

Também eu finjo não te ver.
Fingimos não existir…

Desta vez não quebrarei o silêncio.
Deixar-te-ei no teu mundo
De falsa segurança. Não te perturbarei.

Espero que um dia cresças e percebas.
Quero que percebas. Preciso que percebas!
Mas sem a nossa dura tormenta.

Nesse dia poderás vir.
Sem medo, sem receio.
Estarei aqui…

"Quero poder não voar"

Como é que se diz a alguém
Que queres que te agarre,
Que queres mais do que tudo,
Para que te deixe?
Te deixe ir!
Te deixe voar!...

Não te quer.
Nunca te quererá.
Mas prende-te…
Com um simples sorriso
Te prende a uma ilusão,
A uma esperança tonta,
Inútil, irreal!



Não dizes!
Ajoelhas-te,
Imploras,
Rogas,
Gritas para que te ouça
Para que te agarre
Te prenda
Te corte as asas
E nunca mais te deixe voar!

(título retirado de uma música dos Santos & Pecadores)

... soube-me a pouco... muito pouco!!!...

segunda-feira, setembro 06, 2010

sábado, setembro 04, 2010

sexta-feira, setembro 03, 2010

... ora expliquem lá outra vez...

... como é que isto se faz???... girl meets boy. girl likes boy. girl... has a coffe with the boy???... hum?... dez anos "out of the game" e entrámos na era do cafézinho?... elas estão cada vez mais simples e com mais certeza de que não querem compromissos para além de uma noite de sexo tórrido (e ao que parece o tórrido está em falta! E muito!!!). Eles estão cada vez mais complexos e só querem café ao fim da tarde... será da idade? Elas procuram uma carreira e eles uma mãe para os filhos? Inverteram-se os papéis?... Confesso que me parecia bem mais simples aos vinte anos. Ou era o amigo do amigo (sim, porque havia sempre um amigo casamenteiro), ou um encontro de uma noite sem complicações, fruto de uma troca de olhares, sem telefonemas no dia seguinte (thank God!!!). Hoje parece obrigatório trocar telemóvel, email, msn e facebook, ou outra qualquer rede social (a pergunta mais ouvida ultimamente: "tens facebook?" IRRA!!!). As "relações" parecem cada vez mais virtuais!!!... e os "amigos coloridos"? Desapareceram??? Sim! Não se lembram? Aqueles queridos com quem sempre se podia contar para uma noite mais carente, para um jantarinho, uma saída e tudo sem compromisso, sem cobranças, sem ciúme... hum... assim não me apetece nada, mas mesmo nada "to get back in the game"...

... ♥...

quinta-feira, setembro 02, 2010

quarta-feira, setembro 01, 2010

... back at work...

... não foi fácil este primeiro dia de trabalho! Mas não posso me queixar! Estive um mês de férias! E que mês!!!... foi um mês de paixões... de reviver as velhas... conhecer novas... de muito calor, muito sol, muita piscina, muito mar, muita areia... muitos "tropeções" no passado... muitos "encontrões" no presente, na hora, no momento, no calor... muitas emoções... boas e... más... também. É a vida!.... muitas questões... poucas respostas... como sempre... mas foi bom, muito bom este meu primeiro Verão em single mode... aqui fica uma das minhas músicas preferidas de uma velha paixão, que tive a sorte de ver ao vivo na Baía de Cascais, numa noite quente, quente! Tenho imensa pena de não ter conhecido pessoalmente, mas tive a sorte de conhecer alguns membros da sua equipa e os seus filhos. Todos super simpáticos e com samba nas veias! Assim, sim! Vale a pena...



... e de blusinha preta, em noite de lua cheia, me apaixonei por um preto lindo de olhos verdes...



... e a frase que me ficou do verão: "quero poder não voar". É de uma música dos Santos&Pecadores que não consigo descobrir. Não consigo tirá-la da cabeça... porque será?...