quarta-feira, setembro 29, 2010

... concluindo...

... Homens com garra PRECISAM-SE!!!... e mães: PAREM de mimar os vossos filhos! Lembrem-se que um dia eles serão homens, namorados, maridos e que não quererão tê-los no vosso colo a chorar, porque uma mulher lhes deu um desgosto, porque, pura e simplesmente, vocês não os deixaram crescer... e homens, Homens: nós apenas queremos que nos amem. AMEM! Percebem? Não precisamos, nem queremos que nos compreendam. Apenas queremos que nos aceitem. Com toda a nossa loucura, insegurança, ciúme, possessividade. Que quando se depararem connosco aos prantos perante um armário vazio, porque deixámos de fumar e de repente engordámos dez kilos e nos achamos feias de gordas e não temos nada para vestir, nos abracem. Não nos digam: estás tonta? Não vês que estás melhor assim? Estavas tipo escanzelada! Agora sim, já tenho onde agarrar! Pára de chorar e veste qualquer coisa! Vá! Anda! Não digam nada! Abracem-nos! Apenas abracem-nos com força até pararmos de chorar e enxuguem-nos as lágrimas e digam que nos amam. Que quando chegarmos a casa com aquele corte de cabelo radical, em vez de nos dizerem: hum, foste ao cabeleireiro! e perante um: gostas?, nos passem a mão pelo cabelo e digam: oh, vou ter saudades de te fazer festas nos teus cabelos compridos que adoro, em vez de: pareces uma Maria-Rapaz! . Que aceitem que gostemos que olhem para nós e por isso nos produzimos da cabeça aos pés, passando várias horas a escolher a roupa, a maquiagem, os sapatos (ai os sapatos!). Que sim, que adoramos flirtar com o empregado do restaurante onde vamos almoçar todos os dias, só porque é um miúdo giro, ou com o tipo do ginásio, só porque é um pintas e achamos inacreditável a sua lata. Que façam o esforço de uma vez por mês, não ligar aos insultos que proferimos da boca para fora e nos mimem dando-nos chocolates (mesmo sob a dura pena de um: tu queres é ver-me gorda!), fazendo festinhas na barriga, dando-nos drogas e sacos de água quente. Que morremos de ciúmes das vossas amiguinhas, especialmente daquelas que não conhecemos e que têm o hábito irritante de vos dar um grande abraço, seguido de um repenicado beijo na cara, só porque já não vos vêem há imenso tempo. Aí meus caros, só têm de, depois de serem efusivamente cumprimentados pela dita cuja, vulgo vaca, de nos darem a mão, ou nos porem o braço na cintura e nos apresentarem à fulana. Se vocês para nós são lindos e fantásticos, também, na nossa cabeça, são para as outras. Que sim, nós gostamos muito de presentes (excepto flores fora das datas, tipo aniversário e dia da mãe. É sempre suspeito e sinónimo de asneira), mas gostamos muito, mas muito mais de um telefonema a meio de um dia de intenso trabalho, em que nos dizem: liguei só para te dizer que te amo e que não vejo a hora de chegar a casa! Que apesar de as PDA serem do mais piroso que há, de vez em quando, mas só de vez em quando, é bom sentirmos uma mão que procura a nossa enquanto caminhamos na rua, ou um beijo roubado no meio do supermercado... Bem, poderia redigir um completo manual de instruções, mas preciso apenas que vocês homens percebam que quando olham para nós e nos vêem um brilhozinho nos olhos, que quando vos abraçamos sem querer largar, que quando nos enroscamos em vocês para dormir, ou apenas entrelaçamos os dedos, porque é Verão e está muito calor, que quando vos dizemos: AMO-TE!, é porque vocês são O HOMEM DA NOSSA VIDA e não queremos mais nenhum, nem mesmo puto giro do escritório que passa o dia a dizer que somos fantásticas, lindas e inteligentes... 

3 comentários:

anita disse...

tão verdade, tão tão tão verdade.
E quando dizemos um arrebatado "Gosto tanto de ti" não nos respondam com um pseudo-calmante-que-só-enerva: "Está tudo bem..." :)))

Ida disse...

E podia ser tão simples!

pat f disse...

muito verdade