quinta-feira, janeiro 27, 2011

... Pedro Paixão...

... ainda não li nenhum livro dele. Ainda... já tinha ouvido falar muito sobre o autor. Várias pessoas amigas já leram, mas não sei porquê nunca comprei nada dele. Sou muito fiel, digamos, e quando gosto de alguém, procuro sempre a última novidade e muito raramente olho para o lado. Que o diga Mia Couto. Mas aqui há tempos ouvi Fernando Alvim entrevistar Pedro Paixão, na Prova Oral da Antena3 e fiquei com vontade de sair a porta fora e entrar na livraria mais próxima e em tom de desespero pedir no balcão: Pedro Paixão, por favor!... Pois, lá está, tempos difíceis e os meus olhos têm andado por bibliotecas alheias onde não há Pedro Paixão... fui esquecendo... recentemente aderi à sua página no Facebook e... a vontade voltou e voltou por isto:...
  
‎"(...) Fechou a porta atrás de nós mas não a fechou à chave, mas eu pensei de qualquer modo que ele me ia agarrar, beijar. Eu ainda só dormi com ele duas vezes, mas devia ser proibido fazer amor assim. Agarrou-me por dentro, sabes? Devia ser proibido. Uma pessoa não pode fazer nada. (...)"

in "Viver Todos os Dias Cansa"

... e isto...

"(...) O teu corpo é-me cada vez mais presente, vai apagando os outros corpos. Cada vez mais comum e mais único ao mesmo tempo, esvaziando-me de outros desejos. Cada vez mais parte própria do meu próprio corpo. Logo que as nossas peles se abandonaram ao contacto, e as nossas carnes se deixaram moldar, percebi que entrávamos no segredo que funde dois num só. Como nos tivéssemos encontrado logo na meta, um só corpo de duas almas. (...)"

in "A Noiva Judia"

... não fui eu que escrevi, mas... já o senti... sinto...

Sem comentários: