terça-feira, abril 12, 2011

Escritos de noites enfermas

Olhas-me.
Entras em mim.
Inundas-me.
Reviras-me de ponta a cabeça.
Entras e sais vezes sem conta.
Sentes-me.
Conheces-me.
Preenches-me.

Sem comentários: